17 dicas para viajar mais barato

Começo esse texto no melhor estilo comercial-do-Trivago: imagine duas viagens diferentes, mas para o mesmo destino e com a mesma duração. Imaginou? Agora saiba que uma delas pode sair até pela metade do preço da outra, se planejada direitinho.

Libra esterlina


            É claro que diferentes pessoas têm diferentes estilos de viagem, e por isso não posso deixar de lembrar que o investimento total é subjetivo. Afinal, talvez você não esteja disposto a se hospedar em um hostel, ou talvez você seja o tipo de pessoa que que considere válido enfrentar longas horas de viagens de ônibus se a economia compensar a escolha.

            Seja como for, separamos várias dicas para que você possa avaliar onde é possível economizar no seu próximo destino, ou para que você talvez tenha o prazer de descobrir que vários dos lugares que você deseja conhecer não são sonhos tão distantes assim.


1 - Não aceite o primeiro preço que você encontrar

         Antes de tudo, saiba que você será aconselhado a pesquisar muito inúmeras vezes ao longo deste texto. Isso porque esse é o melhor jeito para você conseguir viajar mais barato. Portanto, seja qual for a forma que você escolherá para planejar sua viagem (agência de viagens, de intercâmbio, pesquisas própriasnunca aceite o primeiro preço que encontrar, ou que te oferecerem. Acredite: você vai encontrar mais barato. Seja passagem de avião, hospedagem, passeios, ou o que mais você decidir e precisar investir. 

2 – Passagens mais baratas

Nessa dica, o mais importante é que você compre as passagens com antecedência. Quanto mais perto da data da viagem você comprar a passagem, mais cara ela vai estar (principalmente se você viajar em períodos de alta temporada).
            A segunda dica mais importante é: pesquise muito. No planejamento, já separe um tempo para isso. Você não vai encontrar as passagens mais baratas do dia para a noite. Passagens de avião, por exemplo, podem estar com valores menores na semana que vem do que os valores que você viu hoje.
            Lembra da nossa lista de aplicativos úteis para viajantes? Lá você encontrará vários buscadores de viagem, que fazem por você a pesquisa entre diversas companhias aéreas e selecionam os preços mais baratos – ou emitem alertas quando passagens baratas surgirem.

3 – Hospedagem

            Outro ponto básico, mas que consome uma grande parte do investimento. Aqui tem várias opções para buscar acomodação:

Airbnb: plataforma na qual você cria um perfil e pode alugar apartamentos ou quartos na casa de outras pessoas. Você aluga o local se comunicando diretamente com o proprietário. O valor geralmente sai mais em conta que um hotel, principalmente se você for em casal – para dividir o valor da diária da acomodação.

Bed&Breakfast: parecida com o Airbnb, essa plataforma permite que você alugue quartos simples na casa de moradores locais, com café da manhã incluso e preços também muito amigáveis.

Couchsurfing: aqui você cria um perfil e pode encontrar lugares para se hospedar de graça. O intuito desse site é promover a troca de experiências e cultura entre anfitrião e hóspede.

 Hostel: dividir um quarto com outros viajantes é sempre uma boa ideia, uma vez que além de economizar, você também pode conhecer outras pessoas. Você também tem a opção de alugar um quarto privado (mais barato do que quartos de hotel), e de alugar quartos só para mulheres ou com menos pessoas por quarto, por exemplo.

Por aqui, já nos hospedamos pelo Airbnb e em hostels na América Latina e na Europa. Em viagem de 8 dias ao Rio de Janeiro, por exemplo (no qual nos hospedamos em hostel e Airbnb), gastamos apenas R$200 cada um. Já na Europa, encontramos na Escócia um hostel avaliado com nota 9 no Hostelworld, cuja diária nos custou aproximadamente R$80

Independente da forma que você escolher se hospedar, alguns cuidados são valiosos para o seu bolso:

Utilize os filtros de preço dos sites para encontrar apenas opções dentro do seu orçamento;

- Leia as avaliações dos lugares que você está cogitando se hospedar na internet. O TripAdvisor, por exemplo, reúne avaliações de viajantes sobre acomodações e inúmeros outros tópicos relacionados ao turismo;

Verifique a localização e os valores dos transportes que você pretende usar na viagem. Às vezes, alugar um quarto em um endereço afastado do centro sai mais caro do que um quarto na área central, já que assim você precisará usar metrô, ônibus ou táxi/uber para seus passeios;

Pesquise quais facilidades esse hostel oferece. Saiba se o local oferece café da manhã, se é gratuito ou não, se há outras refeições, se há WiFi gratuito, se fornece adaptadores, e todo tipo de benefícios que talvez você possa precisar e que te economizem alguns trocados;

- Mesmo que você não queira dividir quartos, ou residências de anfitriões, pesquise. Os preços das diárias podem ser diferentes de acordo com o site de busca e a época da viagem, e talvez você esteja pagando por um preço alto sem necessidade. Além disso, muitos hostels oferecem quartos privados por preços menores do que os encontrados em hoteis.


4 – Deslocamento interno

            Seja para ir da sua hospedagem até os lugares que você deseja visitar, ou até uma cidade próxima, ou até o país vizinho – América do Sul e Europa são bastante conhecidos e apreciados pela facilidade de visitar vários países em uma só viagem -, descobrir a forma mais barata de percorrer esses trajetos fará uma diferença grande no seu orçamento.

            Antes de viajar, pesquise como funciona o transporte público no seu destino. É possível comprar um combo de passagens de ônibus, ou de bilhetes de metrô? Qual dos meios de transporte oferecidos é mais barato? É possível alugar bicicletas? Se hospedar perto de estações de ônibus e metrô é uma valiosa dica aqui, aliás.

            Outra dica é: vá a pé. Desse modo, você não apenas economiza, como também tem a chance de ver de perto cada rua e como é a vida no local onde você está.

5 – Faça viagens noturnas

            Aproveite uma viagem longa e noturna de ônibus para dormir durante o trajeto. Assim você economiza no preço da passagem - já que uma viagem de ônibus, muitas vezes, é a opção mais barata -, e também no preço de uma diária: afinal, você passará a noite no ônibus, e não em uma acomodação.

6 – Coma como um nativo, não como um turista

            Desfrute da culinária local e visite estabelecimentos famosos, caso você sinta vontade. Porém, não se esqueça que a melhor forma de economizar em refeições é comprando comida nos supermercados e as preparando em sua hospedagem (caso a sua ofereça cozinha). 

            Caso você não tenha como fazer suas próprias refeições, a dica é que você pesquisa antes de viajar os lugares que você deseja comer e seus preços – para evitar surpresas –, ou procurar por restaurantes fora da área turística, já que nesses pontos, é comum que a comida seja mais cara, e com menos qualidade.

            Pesquise também quais são os hábitos alimentares dos locais. Em vários países da Europa, como os do Reino Unido, por exemplo, os mercados oferecem o meal deal: um combo de refeição principal, bebida e snack por um preço fixo e bem baixo. Você pode aproveitar e fazer sua refeição em um parque, ou outro ponto da cidade que você goste.

7 – Seja seletivo em seus passeios

            Talvez você não tenha condições de fazer todos os passeios que você gostaria, e tudo bem, fica para a próxima. Na hora de montar o roteiro, escolha os passeios que você realmente deseja fazer, as atrações que não podem faltar. Tentar encaixar absolutamente tudo não só te fará gastar muito dinheiro, como também fará com que você precise visitar tudo com pressa e, consequentemente, não aproveitar a viagem tanto assim.

8 – Confira a agenda cultural do seu destino

            Muitas atrações e lugares geralmente oferecem promoções e descontos em dias específicos, ou em datas especiais. Eventos baratos ou gratuitos também podem acontecer no período da sua viagem, por isso é importante ficar de olho.

9 – Não fique preso ao turismo clássico

            Além de visitar os pontos turísticos clássicos de um local, dedique tempo a desbravar suas ruas, admirar as paisagens, observar a vida em um parque. Tudo isso é de graça e, muitas vezes, infinitamente mais interessante do que fazer apenas o turismo clássico. É nesses momentos que você vê como a vida é nesse destino.

10 – Garimpe atrações gratuitas

            É comum que você encontre opções gratuitas de entretenimento – como museus, principalmente em grandes cidades. Há, ainda, walking tours gratuitos pelo mundo todo. Assim você pode conhecer não só a cidade que você está visitando, como também descobrir a sua história.

11 – Trabalhe em troca de hospedagem e alimentação

            Sabia que você pode fazer voluntariado em diversos países do mundo em troca de estadia e alimentação? O WorldPackers é um site que promove esse tipo de experiência. Lá, você cria um perfil com tudo o que você tem a oferecer, e procura vagas de acordo com os seus talentos em todos os continentes. Após achar aquela vaga perfeita, basta se candidatar a ela e esperar uma resposta da pessoa responsável pela sua “contratação”.

12 – Converse com os locais

            Quem poderia saber mais sobre uma cidade do que seus próprios habitantes? Por isso, quando tiver dúvida sobre onde comer, preços de transporte público, preço de alimentação, pergunte a um local. De quebra, você pode fazer um amigo.

13 – Use apps de controle de gastos

            Usar um aplicativo para controlar os seus gastos é um modo prático de evitar ultrapassar seus limites. A minha recomendação é o DB Classic (gratuito para Android e IOS), que é simples de usar, não exige senha de banco e nem possui planilhas e gráficos complexos. Perfeito para o dia a dia.

14 – Escolha destinos baratos

            Quanto dinheiro disponível você tem para investir em uma viagem? Pesquise quais países ou cidades você pode visitar com essa quantia, afinal, muitas vezes a diferença entre o investimento total entre dois destinos diferentes é – como você já deve saber – gritante. As vezes essa viagem não será para o outro lado do oceano, mas sim para a praia que fica a três horas de ônibus da sua cidade e isso é ótimo. Cada lugar é especial e sempre vai valer a pena.

15 – Delimite um gasto diário

            Avalie quanto dinheiro você terá para gastar em passeios, alimentação, compras e demais gastos pessoais e estabeleça qual a quantia máxima você irá gastar por dia. Lembre-se de sempre separar uma parte do dinheiro para possíveis emergências.

16 – Faça suas compras no final da viagem

            No começo da viagem, você muito provavelmente ainda não estará familiarizado com a base de preços no local, nem conhecerá quais as lojas que oferecem os produtos mais baratos. No final da viagem, em contrapartida, você já terá todas essas informações - e também já saberá como está o seu orçamento e quanto você pode/quer gastar em compras. Também dê preferência para o comércio fora da zona turística. Fora dela, você encontrará os mesmos produtos por preços menores.

17 – Pesquise os preços dos passeios e atrações antes de viajar

            No Rio de Janeiro, Fábio e eu encontramos vários funcionários de “agência de turismo” na Praia de Copacabana oferecendo, por R$100, uma ida a um dos dias de ensaio das escolas de samba, na Marquês de Sapucaí, com “ingresso incluso” no valor. O golpe: esses ensaios são abertos ao público, não se paga absolutamente nada para assisti-los.

            Nós já havíamos pesquisado sobre os ensaios de Carnaval antes de viajar, por isso notamos o golpe imediatamente. Entretanto, muito provavelmente algum turista desavisado deve ter caído nessa armadilha.

            Infelizmente, esse tipo de golpe pode acontecer em qualquer parte do mundo. Basta um Google “golpes comuns + seu destino” e você vai encontrar muito conteúdo alertando os viajantes sobre esse tema. É por isso que recomendamos que, antes de viajar, pesquise tudo o que for possível. Quais as ruas mais seguras, quais os preços dos passeios que você deseja fazer, pesquise se esses passeios podem ser mais baratos se você não tiver o intermédio de uma agência, quais os golpes mais comuns e todas as informações que você puder reunir para não ter nenhum gasto extra, surpresa ou prejuízo. 

🌍🌍🌍

Nem sempre é possível combinar todas essas dicas, obviamente. De qualquer forma, fazer o que for possível para a sua viagem sair por um preço menor do que aquele que costumam vender por aí com certeza não só garantirá uma economia considerável no seu orçamento, como também a experiência de uma viagem incrível.



Nenhum comentário:

Postar um comentário